segunda-feira, 22 de fevereiro de 2016

DETECÇÃO DE METAIS NAS TRINCHEIRAS DE 1932- FIVELA E ENCAIXE DA BAIONETA

 21/02/2016

 Mais um lugar até então inexplorado, por entre as árvores altas, na parte de trás da linha de frente, num lugar sem vegetação rasteira, muitas cavas grandes, sempre atrás do barranco, aproveitando o declive. Devia servir de apoio a linha de frente, já que poucas foram as munições encontradas. Nesta área os sinais (do detector) são em um  número bem menor que ao lado das trincheiras da frente, mas em compensação, quando aparece um sinal quase sempre é algo  relacionado ao fardamento dos soldados ou de uso pessoal  e  utensílios de cozinha de campanha. Infelizmente a chuva forte veio mais cedo que eu esperava e pôs fim a caçada.

 Note a marca de uma  trincheira em forma de T

 Dentro de uma trincheira intacta.

 Vegetação da área.


OS ACHADOS


 Mais um encaixe da bainha da baioneta.



DEPOIS DE LIMPOS:

 Achados diversos, chama a atenção o estranho modelo de fivela, nunca havia visto uma destas antes, é feita de ferro, está bem conservada, pois estava na mata fechada e ficou em meio a uma grossa camada de folhas e matéria orgânica da floresta.  Se eu fosse arriscar diria q é algo usado em selaria pois já li que as tropas usavam animais de carga para levar muitas coisas para o alto do morro.

 Fato interessante é a numeração desta 7920, bem próximo a da outra que é 7930.
Veja a outra clicando aqui

 Possivelmente uma tampa de vasilha de usada para levar comida aos soldados paulistas que estavam nas trincheiras, estava bem atrás da linha de frente.Esta é a segunda do mesmo tipo que eu acho.
 Veja a outra clicando aqui

Nenhum comentário:

Postar um comentário