segunda-feira, 10 de agosto de 2015

NOVA PERMISSÃO, NOVOS ACHADOS E NOVAS DESCOBERTAS...

Depois de passar um tempão esperando em frente à uma porteira, consegui pedir ao proprietário uma autorização para entrar em sua propriedade. No começo tudo parecia péssimo, a braquiária muito alta e densa, formava um tapete, suas raízes atingiam a profundidade igual à que estavam os achados e tudo que saía de debaixo da terra estava moído pelo pisar do gado. O solo estava muito compactado e à minha frente um verdadeiro paredão quase intransponível, mas resolvi encarar, e após alguns escorregões atravessei aquela verdadeira muralha, chegando no alto da montanha, procurei por indícios que denunciassem a passagem de soldados por lá, ver cortes no barranco é o que eu queria, mas nada! e o detector só sinalizava aqui e ali... Aí pensei: os soldados aqui poderiam ser surpreendidos por uma tropa que subisse o morro ao qual eles não tinham visão por estar bem a sua retaguarda. Procurei então um lugar onde eles poderiam cavar suas trincheiras e dominar visualmente todos os lados e bingo! la estavam elas, intactas!! pareciam à espera do soldado que se foi e não voltou. Agradeço as boas dicas do Coronel Maia via "Palmares pelo Avesso". Fato interessante a se destacar é a quantidade de projéteis nunca antes achada, e justamente no morro que fica ao lado das posições paulistas, isto ao meu ver explica a quantidade de capsulas na retaguarda das trincheiras do outro lado, que estão de frente para a estação Cel Fulgencio, mas que naquela posição estaria num ponto cego para a estação. Tudo indica que as trincheiras ali eram uma extensão das já antes pesquisadas e portanto paulistas, mas os projéteis podem indicar que os paulistas perderam aquela posição e sofreram um ataque por lá, nota se (pela quantidade de projéteis) que a resistência foi dura e que a quantidade de mortos da tropa federal deve ter sido gigantesca. Lógico que isto deve ser mais pesquisado para se tirar uma conclusão ao certo.  De resto só a minha promessa de nunca mais tentar caçar em  meio da braquiária, e deixo que as fotos contem o que as palavras não conseguem expressar...







MONUMENTO AOS SOLDADOS QUE LUTARAM E MORRERAM PELA DITADURA










OS ACHADOS

Depois de limpos

Projéteis


Estilhaços de artilharia
Estas bolas de chumbo ficavam dentro da granada de canhão e com a explosão voavam como estilhaços.
Uma vareta que a principio me pareceu um simples pedaço de vergalhão, mas que depois ví que possui em uma das extremidades uma rosca e na outra um corte no metal. Cheguei a deixa - la para trás mas depois mudei de ideia e decidi que quando voltasse do alto do morro eu a pegaria, só que não a encontrei mais. Aí de repente comecei a achar muitos projéteis e acabei saindo no lugar onde a havia deixado.
Minha dúvida: poderia ser um limpador do fuzil? aquela vareta que fica na parte de baixo do cano? ou se caso não for  o que poderia ser já que o lugar é isolado no meio da mata, em meio as trincheiras da Revolução de 1932 e sem nenhuma contaminação por lixo.


IDENTIFICANDO OS ACHADOS
Felizmente, com a ajuda de um colaborador do blog, consegui desvendar o mistério da vareta encontrada  na região de combates da Revolução Constitucionalista de 1932 no Setor "Túnel da Mantiqueira" Conforme podemos notar, as medidas conferem e o buraco numa ponta e a rosca em outra não deixam dúvidas, é mesmo uma vareta de limpeza do cano do mosquetão,  portanto realmente é um artefato da Revolução de 1932.




Por favor, considerem apenas a seta de baixo.

11 comentários:

  1. Celso,
    Me parece que desta vez você encontrou alguns projéteis de liga ferrosa na configuração comum ogival (modelo 1895) e bi-ogival (modelo 1908). Desconhecia esta liga ferrosa em projéteis bi-ogivais. São comuns os cartuchos com projéteis ogivais fabricados pela Hirtenberger Patronen Zundhütchen und Metallwarenfabrik austríaca os quais você identifica pela existência da letra M dentro de um círculo, se não me engano são de 1930. As que resistiram até os dias atuais costumam apresentar a camisa bastante enferrujada.
    Com relação a vareta, realmente É PROVÁVEL que seja uma vareta de lançamento de granadas de bocal (VB). No livro 1932 São Paulo a máquina de guerra, consta na página 80 cópia do manual de instrução do lançamento onde consta que a vareta deveria ser colocada "na rosca central da parte inferior da granada". Mas isto teria de ser confirmado.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vandeir, qual a diferença visual entre um projétil ogival de um bi ogival? Grato!

      Excluir
    2. Ogivais são os primitivos de ponta arredondada que o exército denominava como modelo 1895 e bi-ogivais são os de ponta fina que o exército denominava como modelo 1908.

      Excluir
    3. Interessante Vandeir, pois a maioria dos projéteis bi- ogivais que eu desenterro estão enferrujados ou até já sem a camisa, o que poderia indicar que são de liga ferrosa(?)

      Excluir
    4. Se existir uma forte oxidação de coloração marron certamente trata-se de uma liga ferrosa já que as camisas de latão ou alpaca não apresentam oxidação nessa cor.

      Excluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. Celso: se for uma vareta de limpeza ela deve ter uma rosca externa numa extremidade e outra interna na outra ponta.
    Estas varetas eram curtas e para que o soldado pudesse limpar o cano do seu rifle ele tinha que emprestar a vareta de um colega e unir as duas, daí as duas roscas. Uma vareta só não conseguia passar toda a extensão do cano.
    A rosca externa servia também para fixar a vareta em seu alojamento sob o cano da arma de modo a que ficasse presa e não caísse.
    O corte (se for vareta de limpeza é um furo comprido) era para prender um pedaço de pano para limpar o cano.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Luiz, a não ser que a ferrugem tenha tampado, esta vareta não possui furo e rosca interna na outra extremidade.

      Excluir
  4. Dimensões da vareta original de limpeza do cano do Mosquetão:
    Comprimento total da vareta de limpeza: 395 mm
    Espessura da vareta: 5,5 mm
    Comprimento da rosca externa em uma das pontas: 8 mm
    Comprimento do rasgo onde se fixava o trapo de pano: 20mm
    Distancia do rasgo a ponta da vareta (esta ponta é furada): 5mm
    Largura do rasgo: 4 mm (sobra pouca espessura da vareta para ambos os lados)

    ResponderExcluir
  5. Celso, mandei e-mail para você.

    ResponderExcluir