sábado, 18 de julho de 2015

09 DE JULHO DE 2015 - DESENTERRANDO A HISTÓRIA DA REVOLUÇÃO DE1932

Só de pensar que estes pedacinhos da história estão a 83 anos sob a terra, "dormindo" da mesma forma e posição em que foram deixados no ano de 1932 e que por sorte pude ajudá - los a sair deste "sono"...é fantástico! Ter a oportunidade de ter contato com estes objetos, é como se pudesse voltar ao tempo e participar deste evento tão marcante da nossa história. Espero  que através desta postagem eu possa dividir com todos esta oportunidade tão incrível

Que sensação  boa nesta hora...

 Um carregador com cinco munições, achado inédito em cinco anos de pesquisas, estava cuidadosamente colocado sobre uma pedra e soterrado por uns 20 cm de terra.

 Um dos locais pesquisados: um tronco de árvore bem largo que com certeza já  estava lá em 1932 e que pode ter servido de proteção a um soldado. Pra conseguir achar os locais certos, em uma área tão extensa, precisamos fazer uma reconstrução da história com os elementos e as pistas presentes nos dias de hoje.

OS ACHADOS

 Antes da limpeza

 Depois da limpeza


 Fuse de projétil de canhão


 Um achado especial: tudo indica que seria um cabo de talher

 Projéteis do fuzil Mauser  ou da metralhadora Hotchkiss, notem  o da direita: acertou em cheio algo.

Bola de chumbo usado no  recheio do projétil do canhão sharapnel Também acertou algo em cheio.

2 comentários:

  1. Celso, você deve se atentar ao fato de que a Hotchkiss não era a única metralhadora da época, existia a ZB-26, a Colt refrigerada a água e não tenho certeza se a Madsen chegou a ser utilizada no conflito. O Museu da PMMG possui exemplares de BAR mas também não sei se foram utilizados na época.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vandeir dos Santos , na verdade citei o Mauser e a Hotchkiss porque são as únicas armas que puder ver até agora em fotos da Revolução de 1932 neste frontal, Portanto se você tiver fotos de outras armas sendo usadas por aqui (Túnel da Mantiqueira) compartilhe conosco.

      Excluir